Black Friday: 8 dicas matadoras de precificação e análise da concorrência

08 de novembro de 2017

black-friday-dicas-monitoramento

 

Entramos no mês do Black Friday, uma das datas mais importantes para os varejistas que buscam impulsionar as vendas. E as expectativas seguem positivas: o evento do dia 24 de novembro deve movimentar neste ano R$ 2,506 bilhões segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), atingindo um crescimento de 18% se compararmos com o mesmo período do ano passado.

Pensando nisso, muitas lojas e marcas começam a traçar estratégias para atrair o público e converter compra. Considerando que o propósito do Black Friday é vender a preços mais baixos, os e-commerces passam a rever a precificação dos produtos e acompanhar com mais precisão a concorrência, analisando como as outras lojas se comportam para competir melhor no mercado. Aí surge a dúvida:

 

Como fazer a precificação durante o Black Friday?

 

Antes de mais nada, a primeira coisa a se lembrar é que o famoso “pague a metade do dobro” não pode acontecer se você quer deslanchar nas vendas. Ao insistir nisso, tenha em mente que o resultado não será o esperado. Para fazer uma precificação competitiva e ao mesmo tempo consciente no Black Friday, veja algumas dicas para colocá-la em prática ao mesmo tempo em que analisa a concorrência:

 

1) Defina os produtos que irão participar do Black Friday

black-friday-produtos

Escolher o que será ofertado durante a sua campanha no dia D é o passo inicial dentro do seu planejamento. Indo mais além, é necessário também estar atento ao sortimento e à quantidade de cada um dos itens que serão prioridade no Black Friday. Ao pensar nessa questão, considere também que essa é a oportunidade de esvaziar o estoque dos produtos que estão parados ou com fluxo menor, incluindo também aqueles que sairão de linha.

Leia também: Guia da Precificação 

 

2) Calcule os custos e fique atento aos limites de preço

black-friday-calcular-custos

Ao pensar em precificação inteligente, o seller precisa ter consciência de todos os gastos que fazem parte da operação do e-commerce. Isso engloba especificidades como custo do estoque e capital de giro, por exemplo. Ao ter essa base, pode-se ter um maior controle para precificar sem abrir mão da rentabilidade, considerando que seu objetivo é gerar algum lucro mesmo esvaziando o estoque. Um método bastante utilizado para isso é o Markup.

No momento que você tem a noção exata sobre os custos envolvidos no seu serviço, o próximo passo é entender até onde você pode baixar e aumentar o preço, ou seja, a margem mínima e a margem máxima. Isso é primordial no jogo da precificação, não apenas no dia do Black Friday. Assim você pode competir pelo preço sem colocar seu negócio em risco ao mesmo tempo em que estabelece um custo que não seja agressivo ao consumidor.

 

3) Lembre-se do valor do frete

Ele entra na conta ser paga pelo consumidor, então não pode ser ignorado. Sabe aquele produto com um “super desconto”? Se for acompanhado de um frete muito alto, as chances da compra não ser efetuada também são altíssimas, sendo superada por aquela oferta mediana mas que oferece um frete com preço baixo ou até mesmo gratuito. Portanto, considere esse valor ao planejar a precificação dos seus itens e gerar uma grande oportunidade ao seu cliente.

 

4) Brigue no marketplace, mas não desvalorize seu e-commerce

black-friday-marketplace

O marketplace está em alta e essa dica pode até parecer controversa, mas é útil para todos que estão operando através desse modelo de negócios. Ao competir no marketplace, é comum que os lojistas baixem a margem de preços nessa plataforma para atingir o buybox e converter as compras, mas isso não significa que você deve fazer o mesmo no seu e-commerce. No seu site você segue com o objetivo de venda, mas é lá que você tem a oportunidade de fidelizar o cliente de outras formas, podendo oferecer frete grátis, cupons de descontos e vale-presentes, por exemplo. Por isso, muitos empreendedores têm diminuído consideravelmente os preços no marketplace e reservado o e-commerce para oferecer os mesmo itens a custos não tão baixos, mas com diferenciais nas vendas.

 

5) Monitore a concorrência

black-friday-concorrenciaNão menos importante, analisar a precificação praticada pela concorrência é uma ação indispensável se você quer estar um passo à frente nessa competição chamada Black Friday – e isso vale para toda a sua rotina na guerra do mercado online. Não dar bola para isso é como desperdiçar um binóculos em meio a uma ocasião que você precisa ter uma visão mais apurada. Como seller e competidor, você necessita ter um controle preciso sobre quem são seus concorrentes, quais lojas estão vendendo os mesmos produtos que você e os preços utilizados. Dessa forma você pode competir em tempo real nas vendas.

 

6) Acompanhe histórico de preço e ações promocionais

black-friday-historico-de-preçoO monitoramento da concorrência, citado acima, é algo que deve estar sendo praticado antes mesmo do Black Friday. Vamos nos aprofundar mais nesse assunto: você deve observar previamente as atitudes da concorrência, bem como seu histórico de preços e suas ações promocionais ao longo do tempo, ou seja, o monitoramento deve ir além. Ao ter como base o registro dos dados das outras lojas é possível ter uma ideia de como serão as promoções apresentadas no Black Friday, criando perspectivas e permitindo que assim você planeje uma precificação mais estratégica. Com esse tipo de informação suas decisões se tornam assertivas nessa última sexta-feira de novembro.

 

7) Utilize o Big Data Analytics para facilitar sua análise

black-friday-big-dataAo monitorar e analisar a concorrência, a lógica seria abrir as telas de todas as lojas e manter o olho nas informações, mas isso acaba sobrecarregando o seu navegador, além de tomar o seu tempo e impedir que você consiga cumprir essa demanda de maneira eficiente. O lado bom é que existem soluções para um monitoramento automatizado e inteligente: ferramentas de Big Data que conseguem reunir um grande volume de dados em tempo real. O WebPrice é um exemplo disso, capturando as informações de todas as suas lojas concorrentes em um único sistema e permitindo que você precifique de modo ágil ao visualizar o que você precisa facilmente, além de inclusive disponibilizar históricos de preço.

 

8) Coloque-se no lugar do cliente

black-friday-big-dataComo falamos no início das dicas brevemente, a oferta precisa ser real ao consumidor, possibilitando que ele se sinta confortável em comprar e tenha confiança nas políticas adotadas por seu site. Esqueça que você é o dono do seu negócio por uns segundos e pense brevemente: você compraria o produto vendido em destaque em uma loja como a sua? É essencial a empatia com o seu público e oferecer uma experiência de compra excelente a ele, entregando não apenas preço, mas valor no carrinho montado no Black Friday.

As dicas que construímos acima são relativas, vale refletir e considerar as mais adaptáveis ao seu negócio na hora de precificar e analisar a concorrência. De qualquer forma, esperamos que você alcance resultados extraordinários nessa data que é uma das mais importantes para o mercado.

Você concorda com essas ideias? Comente aqui com a gente.

Leia também: Black Friday: mais do que preço, saiba o que é importante para definir a venda

Redação do Portal WebGlobal

Gabriela Giacomini Autor

Gabriela é editora de conteúdo da WebGlobal. Graduada em Letras e em Jornalismo, tem experiência escrevendo assuntos relacionados ao e-commerce e à tecnologia, buscando sempre desenvolver e compartilhar conteúdos ricos.

Deixe seu comentário

Seu email não sera publicado. Campos com * são obrigatórios.