35º Webshoppers: e-commerce tem crescimento de 7,4% no Brasil

24 de fevereiro de 2017

Recentemente foi divulgado pela Ebit o 35º Webshoppers, relatório que traz um panorama com dados atualizados sobre o e-commerce no Brasil. Entre os maiores destaques da pesquisa está o crescimento nominal registrado pelo setor em 2016, que contabilizou um aumento de 7,4% em relação ao ano anterior, faturando R$ 44,4 bilhões. Descontando a inflação, o aumento real totalizou 1,7%.

Apesar desses números positivos, o crescimento no valor arrecadado pelas lojas online não significou um aumento nas vendas, pois houve uma leve queda de 0,2% nessa categoria, que ficou estagnada em 106,3 milhões de pedidos (em 2015, foram 106,5 milhões). Mesmo sem superar as expectativas, os dados foram vistos com bons olhos pelos profissionais da área. “Entendemos que [o crescimento nominal] é um número muito satisfatório, considerando o cenário da economia do país”, justifica Pedro Guasti, CEO da Ebit.

Por outro lado, o número total de consumidores registrou aumento, saltando de 39,14 milhões em 2015 para 47,93 milhões em 2016. Esse crescimento considerável deve-se à preferência do online no lugar do offline, segundo o relatório.

Categorias mais vendidas em 2016 no e-commerce

categorias

Após ter perdido um pouco de espaço em 2015, a categoria de moda e acessórios voltou a liderar o Webshoppers nessa última edição, com 13,6% de volume de pedidos. Atrás vem os eletrodomésticos (13,1%), livros (12,2%), saúde, cosméticos e perfumaria (11,2%) e telefonia e celulares (10,3%).

Aumento do público feminino nas lojas online

perfil-do-consumidor-e-commerce

Geralmente o perfil do consumidor fica dividido igualmente entre mulheres e homens, mas em 2016 a participação feminina foi maior no e-commerce: 51,6% das compras foram feitas por elas, representando 1.572.584 mais mulheres do que homens. “Esse número deve-se à penetração das mulheres em dispositivos móveis”, acredita André Ricardo Dias, COO da Ebit. Segundo ele, 65% das compras em smartphones e tablets foram realizadas pelo público feminino.

Mobile em alta nas compras

mobile-e-commerce

Na média, o mobile conquistou 21,5% do volume de vendas, um verdadeiro boom em relação a 2015, quando o e-commerce móvel representou humildes 15% dos canais de comércio eletrônico. No entanto, o número tende a crescer ainda mais segundo o Ebit. Se considerarmos apenas o segundo semestre de 2016, a fatia do mercado atinge cerca de 23% – com um pico que pode chegar a 26% em dezembro.

Regiões do Brasil que mais compraram no e-commerce

regiões-que-mais-compraram-no-ecommerceNos gráficos por regiões, o Sudeste teve o pior resultado se comparado aos números do ano anterior, mesmo sendo a parte do país que mais consome online. Isso porque houve queda de 64,5% para 60% das transações que ocorreram entre 2015 e 2016.

Em contrapartida, todas as outras regiões do Brasil registraram crescimento. “Parte disso ocorre pela penetração do sinal 3G e da internet banda larga nesses lugares”, afirma Dias. “O e-commerce acaba possibilitando compras onde antes não tinha como comprar, e em regiões com menor desemprego”, complementa.

Expectativas das lojas online para 2017

Para este ano, o Ebit espera por melhoras ainda mais significativas nos números do e-commerce. Nas suas contas, o faturamento deve chegar a 49,7 bilhões, representando 12% de crescimento em 2017. “É uma visão realista, mas dá para superar [a projeção] no segundo semestre de 2017. No primeiro, porém, devemos andar de lado”, acredita Guasti, com cautela.

Esperamos que seu e-commerce faça parte desse crescimento.

Você já curtiu nossa página do Facebook? Lá você encontra postagens atualizadas com dicas e notícias sobre o setor. Aproveite aqui.

Redação do Portal WebGlobal

Gabriela Giacomini Autor

Gabriela é editora de conteúdo da WebGlobal. Graduada em Letras e em Jornalismo, tem experiência escrevendo assuntos relacionados ao e-commerce e à tecnologia, buscando sempre desenvolver e compartilhar conteúdos ricos.

Deixe seu comentário

Seu email não sera publicado. Campos com * são obrigatórios.